x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Vereador e ex-PM são suspeitos de tramar morte de Marielle, aponta jornal

08/05/18 por Maria Teresa Cruz

Compartilhe este conteúdo:

Depoimento de testemunha liga vereador Marcello Siciliano às execuções; agora suspeito, parlamentar havia feito discurso emocionado sobre Marielle

marielle franco

Marielle discursa na Câmara dos Vereadores | Foto: reprodução Facebook

Reportagem do jornal O Globo desta terça-feira (8/5) traz informação de que o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, que cumpre pena por envolvimento com milícias, estariam envolvidos na execução da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) e do motorista Anderson Gomes no dia 14 de março. Foi a primeira grande novidade no caso em mais de 50 dias de investigações. Ainda de acordo com o jornal, o parlamentar afirma não conhecer o ex-PM e chamou a notícia de “mentirosa”.

A testemunha, que agora está protegida, já atuou com milicianos e procurou a polícia porque afirma ter testemunhado conversas entre Siciliano e Araújo, que mesmo preso em Bangu 9 ainda chefiaria uma milícia na zona oeste do Rio. Os dois teriam falado em matar a vereadora. Além disso, teria apontado nomes de quatro homens escalados para o crime.

No dia 6/4, o vereador Marcello Siciliano foi intimado a depôr no Caso Marielle. Dois dias depois, Carlos Alexandre Pereira, de 37 anos, que colaborava com o mandato dele, foi assassinado. Uma fonte ligada ao Departamento de Homicídio informou à Ponte, à época, que as investigações partiam do pressuposto de que milicianos atuaram no homicídio de Carlos Alexandre.

Seis dias depois do assassinato de Marielle Franco, em 20/3, Siciliano subiu à tribuna durante uma sessão plenária na Câmara dos Vereadores e dedicou um discurso à vereadora em que se dizia triste com a morte da colega. “Era uma pessoa muito bacana. Era uma mulher que tinha brilho no olhar, um sorriso incrível, uma alma boa”, afirmou.

Marcello Siciliano, vereador pelo PHS | Foto: divulgação página no Facebook

Para terminar, se disse solidário à dor da família de Marielle. “Fica aqui o meu carinho, a minha despedida, a minha lembrança eterna, a minha admiração por essa pessoa e a minha solidariedade com a família, com a mãe, com a filha”, afirmou. E se ofereceu para ajudar. “Vocês têm um amigo aqui nesta Casa, um braço, uma mão estendida para o que for preciso daqui para frente. Tenho certeza de que ela não fez por merecer. Tenho certeza que o que ela falava aqui no microfone…”, e interrompe o fluxo de pensamento ao lembrar o jeito bastante contundente com que Marielle se colocava na tribuna. “Errar é humano, às vezes as pessoas se colocam de forma agressiva no microfone; eu mesmo já falei diversas vezes de forma agressiva de algumas coisas que acreditei que tivessem sendo feitas de forma desleal, ou quando lutava por alguma coisa que eu achava que tinha que ser mudada, mas nem por isso se justifica fazer alguma coisa por conta de uma expressão, por conta de uma voz. Então, Marielle, fica aqui meu carinho, meu beijo, meu amor incondicional por você, minha admiração; pelo privilégio de ter convivido com você, ainda que pouco, mas de forma intensa aqui, nesta Casa”, conclui o parlamentar.

Após a divulgação da notícia do possível envolvimento de Siciliano no crime, usuários do Facebook, em forma de protesto, enviaram mensagens na página do vereador que vão desde cobrança pela suposta responsabilidade nos assassinatos até frases como “Marielle Vive” e Quem matou Marielle?”

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>