x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Marcha cobra Justiça passados 27 anos do massacre do Carandiru

02/10/19 por Arthur Stabile e Sérgio Silva

Compartilhe este conteúdo:

Centenas de pessoas caminharam pelo centro de São Paulo e se manifestaram em frente a prédios que abrigam atores do sistema de justiça

Ato em frente à Catedral da Sé cobra respostas 27 anos após o massacre | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Uma marcha ocorrida no centro de São Paulo relembrou o massacre do Carandiru 27 anos após o assassinato de 111 pessoas no Pavilhão 9 da Casa de Detenção, então localizada na zona norte de São Paulo. A entrada da Tropa de Choque da PM em uma rebelião no dia 2 de outubro de 1992 terminou com o banho de sangue.

Grupo se reúne momentos antes da marcha ter início |Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Centenas de pessoas andaram da Praça da Sé, passaram pelas sedes do Ministério Público, da Secretaria da Segurança Pública e do Tribunal de Justiça de São Paulo. Bonecos foram deixados em frente aos prédios, representando os mortos.

Ato cobrou mudanças no sistema penitenciário de São Paulo | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Sobreviventes do massacre promovido pela Polícia Militar relembraram os momentos que viveram naquele dia quase três décadas atrás. Um deles foi o rapper Kric MC, integrante do Comunidade Carcerária, cobrou mudanças no sistema penitenciário e mais direitos para os presos.

Kric Cruz, sobrevivente do massacre, participou da marcha | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Segundo levantamento do Núcleo de Estudos sobre o Crime e a Pena e Clínica de Acesso à Justiça e Advocacia de Interesse Público, grupos de pesquisa e extensão da FGV (Fundação Getúlio Vargas), de dez vítimas do massacre, duas famílias receberam indenização do estado pela morte de seus entes. O valor das indenizações não passou de R$ 35 mil.

Manifestantes criticaram encarceramento em massa e trabalho do sistema de Justiça | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Passados 27 anos, nenhuma pessoa foi presa nem responsabilizada pela morte de 111 pessoas, segundo os números oficiais. Em junho de 2018, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça decidiu por unanimidade anular a então condenação de 74 policiais militares pela ação dentro do Carandiru. Um novo julgamento não foi agendado e não há informações se o processo será desmembrado. Até então, os agentes públicos foram condenados a cumprirem penas entre 48 e 624 anos de prisão.

Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

O MP cogita a possibilidade de parte das penas prescreverem antes mesmo de haver qualquer definição sobre os julgamentos.

Manifestante protesta contra o massacre ocorrido em 1992 e impunidade dos policiais | Foto: Sérgio Silva.
Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo
Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo
Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo
Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>