x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

‘Nosso país cheira a pólvora e sangue’, denuncia Débora da Silva em audiência interamericana de direitos humanos

11/12/20 por Débora Lopes

Compartilhe este conteúdo:

Coordenadora do movimento Mães de Maio participou de encontro da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos nesta quarta (9/12): “precisamos acabar com essa polícia que mata crianças”

Nesta quarta-feira (9/12), a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), realizou uma audiência online sobre violência policial e racismo contra afrodescendentes com a participação de ativistas e organizações da sociedade civil de todas as partes da América, inclusive do Brasil.

Débora Maria da Silva, 61, coordenadora do movimento Mães de Maio, estava presente. “Estamos aqui para denunciar mais uma vez o nosso país, que cheira a pólvora e cheira a sangue”, iniciou sua fala. 

Leia também: Projeto de lei Mães de Maio quer apoiar vítimas da violência estatal em SP

A ativista, que luta pela investigação e punição dos grupos de extermínio que provocaram diversas mortes durante os Crimes de Maio de 2006, mencionou o caso recente das primas Emily e Rebeca, mortas por um tiro de fuzil na porta de casa, no Rio de Janeiro: “Crianças estão sendo executadas no país. Temos uma das polícias mais violentas do mundo e não podemos admitir. Não há punição para os algozes dos nossos filhos”. 

Recentemente, a Ponte publicou uma reportagem sobre o projeto de lei nº 734/2020, que oferece assistência jurídica, financeira e de saúde para familiares de vítimas da violência provocada por agentes do Estado. O PL foi criado pelo grupo Mães de Maio, fundado por Débora e outras mulheres que perderam seus filhos em 2006, e protocolado pelo vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT).

Durante a audiência, Débora pediu justiça para as vítimas e punição para os assassinos: “Precisamos acabar com essa polícia que mata crianças, mata famílias inteiras”. 

Ajude a Ponte!

Scheila de Carvalho, advogada brasileira de direitos humanos e integrante da Uneafro e da Coalizão Negra por Direitos, mencionou o nome de diversas pessoas negras que foram vítimas da polícia em diferentes partes da América: “Estamos aqui por Breonna Taylor, George Floyd, João Pedro, Anderson Abolerda, Emily dos Santos, Rebeca dos Santos, e eu poderia ficar o resto dessa audiência falando os nomes de pessoas que perdemos em 2020 e não seria o suficiente”. “Viemos aqui com esse apelo, viemos mostrar que a gente tem um problema em comum que precisa de atenção”, denunciou.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>