Ouvidoria pede apuração de vídeo em que PM atira em jovem pelas costas

25/03/21 por Caê Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

Para Adilson Paes de Souza, tenente-coronel da reserva da PM e doutor em psicologia, três situações chamam atenção no vídeo: o fato de o policial estar sozinho, usar o golpe de enforcamento proibido em SP e atirar quando o jovem está de costas

PM usou mata-leão (enforcamento) proibido desde julho de 2020 e atirou quando jovem estava de costas | Foto: Reprodução

Em um vídeo de onze segundos que circulou pelas redes sociais nesta quarta-feira (25/3), um policial militar, fardado e sozinho na ação, usa um golpe de enforcamento contra um jovem. Outro jovem aparece na cena e dá um soco no rosto do policial, que solta o primeiro jovem. Quando ambos correm, o PM atira contra ele, que estão de costas.

Desde julho de 2020, os policiais militares do Estado de São Paulo estão proibidos de usar o mata-leão, golpe de enforcamento, usado pelo PM do vídeo. A determinação interna, revelada pelo UOL em 31 de julho, foi assinada pelo subcomandante da corporação, coronel Marcus Vinícius Valério, que também veta uso do corpo para derrubar outra pessoa.

A Ponte enviou o vídeo para a Ouvidoria das Polícias, que informou que abriu um procedimento para determinar as circunstâncias dos fatos. O ouvidor Elizeu Soares Lopes apontou que o vídeo não apresenta o contexto da abordagem policial. Apesar disso, avaliou que é importante uma investigação aprofundada para definir se a abordagem foi adequada ou não.

“Em uma primeira e superficial análise chama atenção a possibilidade de uso de força extrema e o tiro disparado pelo policial, mas o vídeo não mostra se o policial poderia estar sendo atacado ou ameaçado. A Ouvidoria vai solicitar informações à Polícia Militar e acompanhar as investigações para que o caso seja devidamente esclarecido”, diz Lopes.

Leia também: Filme as ações da polícia e mande para a Ponte

A pedido da Ponte, Adilson Paes de Souza, tenente-coronel da reserva da PM paulista, doutor em psicologia, mestre em direitos humanos e autor do livro O Guardião da Cidade – Reflexões sobre Casos de Violência Praticados por Policiais Militares, analisou o vídeo.

O especialista aponta três fatos que chamaram a sua atenção enquanto assistia. “Me chama atenção que o policial está sozinho no local. Geralmente esse tipo de ação, para segurança do próprio policial, é feita com mais de um. Em segundo, é o uso do mata-leão, que é proibido pela Polícia Militar, mas eles continuam empregando esse meio”.

O terceiro ponto destacado por Adilson é o momento em que o policial dispara contra os jovens. “Ele não usou a arma de fogo para se defender. Um pouco antes ele até poderia usar a arma de fogo para se defender, para falar em legítima defesa. Mas ele disparou pelas costas quando as pessoas estavam fugindo e, para isso, não há amparo legal”, completa.

Apoie a Ponte!

Para Adilson, a primeira atitude a ser tomada é identificar o policial. “É preciso apurar, nesse caso, se há algum registro dessa ocorrência e o que ele registrou, e solicitar a prisão preventiva [do policial]. Existe a possibilidade de ele não ter feito o registro do fato.

O que diz a polícia

Procuradas pela reportagem, a Secretaria da Segurança Pública e Polícia Militar não quiseram se manifestar até obterem informações de data e local dos fatos.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>