x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

PM à paisana agride entregador negro e forja roubo, diz família

30/08/20 por Jeniffer Mendonça

Compartilhe este conteúdo:

Em vídeo, policial arrasta rapaz e o chama de “verme”; irmã afirma que motoboy foi fazer entrega de pizza e parou para fumar em rua próxima na zona norte de SP

Jovem levou coronhada na cabeça por policial à paisana, denuncia família | Foto: Reprodução e Arquivo pessoal

“Você é hipócrita, eu só estava fumando um baseado aqui”, grita um jovem negro rendido enquanto um policial militar branco à paisana o arrasta até a parede e o chama de “verme”, “arrombado” e “noia” na região do Tremembé, na zona norte da capital paulista, na noite desta sexta-feira (28/8).

O rapaz é o motoboy André Andrade Mezzette, 29, que aparece nas imagens ao lado da mochila que usou, segundo a família, para fazer uma entrega de pizza na Rua Capinzal. “Ele tinha feito a entrega e parou numa outra rua para fumar um cigarro de maconha e nisso o policial passou de moto, perguntando ‘o que você tá fazendo aqui?’ e ele disse que estava trabalhando e o policial partiu para cima dele”, conta a irmã de André, a estudante Vitoria Andrade Mezzette, 21. “O policial deu uma coronhada na cabeça dele, ele tomou dois pontos”, denuncia.

Segundo o boletim de ocorrência, o policial à paisana é o soldado Felipe da Silva Joaquim, e mora no bairro. Ele alegou que estava retornando para sua casa quando “percebeu um indivíduo estranho parado em frente a uma motocicleta” e que ele “teria feito menção de sacar uma arma”. Nesse momento, o PM afirma que parou sua moto e sacou uma arma se identificando como policial e que André teria corrido a pé e, ao alcançá-lo, teriam “entrado em luta corporal” e que por isso o motoboy teria se machucado.

Ao ser rendido, o PM disse que André teria o ameaçado, dizendo que “era da quebrada” e que “iria voltar”. Outros dois policiais militares foram acionados e levaram o motoboy à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jaçanã, onde ficou internado para a realização de uma tomografia.

Vitória mostra comprovante de entrega de pizza que teria sido feita por André na sexta-feira (28/8) | Foto: Reprodução

No documento, não há a versão do rapaz. O delegado André Cesar Pereira Leocata, do 73º DP (Jaçanã), indiciou André por roubo tentado, “tendo em vista o agente ter usado de grave ameaça (simular estar armado) para subtrair coisa alheia móvel, só não alcançando seu intento por circunstâncias alheias à sua vontade”, escreveu.

No momento em que atendeu a reportagem, Vitória estava na Corregedoria da PM. “Vou mostrar os vídeos e dar meu depoimento porque ele não estava assaltando”, disse à Ponte. Os vídeos são de vizinhos que gravaram a abordagem do policial. “Eu tentei ir atrás das testemunhas, mas o pessoal tem medo porque o PM mora ali no bairro”, apontou.

Vitória organizou com familiares e amigos um ato para pressionar pela apuração da agressão em frente ao 72º DP (Vila Penteado) na noite deste domingo (30/8), onde, segundo a família, André esteve preso.

Familiares e amigos de André protestam em frente a delegacia. | Foto: Arquivo pessoal

Convidado a analisar as imagens pela Ponte, o advogado Ariel de Castro Alves, especialista em direitos humanos e segurança pública pela PUC- SP e conselheiro do Condepe (Conselho Estadual de Direitos Humanos), diz que “pelas imagens o pm pode ser investigado por abuso de autoridade, ameaça, calúnia, injúria e difamação e até tortura por manter o rapaz sob uma arma apontada pra cabeça e ter praticado agressões”.

Castro também aponta irregularidades no procedimento da polícia civil: “a polícia civil deveria ter ouvido o rapaz, um investigador deveria ter ido a unidade de saúde”.

Outro lado

Procurado pela Ponte, o soldado Felipe da Silva Joaquim disse que “minha versão é do B.O. (boletim de ocorrência) na polícia civil. No vídeo que estão me acusando não houve nada. Apenas esperei chegar o apoio e deram prosseguimento dos fatos”. Sobre os xingamentos, Felipe afirou que “isso é vocês que estão falando”.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública, que informou em nota que “um homem, de 29 anos, foi preso em flagrante após tentativa de assalto a um policial militar de folga na noite da última sexta-feira (28), no Tremembé, zona norte da capital. O caso foi registrado como tentativa de roubo de veículo no 73°DP. A Corregedoria da PM acompanhará o caso”.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>