Rede cria canal de denúncias para violência policial

    Intenção da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio é manter divulgação dos casos em meio à pandemia e isolamento social, que limita acesso presencial às vítimas

    Rede denunciou execução de jovens em Osasco, no início de 2020 | Foto: Arquivo/Ponte

    A Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio, grupo que atua na cidade de São Paulo e na região metropolitana para denunciar violações de direitos, criou um canal de denúncias para violências cometidas pelo estado. É garantido anonimato de quem repassa as informações.

    Os casos podem ser repassados através de um formulário online do Google (acesse clicando no link), no qual as pessoas informam a corporação responsável pelo abuso, a idade das vítimas, quantas pessoas foram afetadas, o gênero, raça e se a pessoa integra a comunidade LGBT+ ou não.

    Leia também: Corregedoria conclui que PMs mataram David, mas não cometeram homicídio

    Para facilitar a comunicação e encaminhamento dos casos, o coletivo incluiu espaço para o denunciante descrever características físicas, placa e cor do veículo, detalhes do uniforme ou identificação da pessoa.

    Há também uma área destinada a fotos e vídeos da ação truculenta. O material pode ser enviado para o e-mail [email protected]

    Um dos casos com acompanhamento da rede envolve as mortes de Juan Oliveira Ferreira, 16 anos, e Gabriel Silva Dantas, 18 anos. Os dois morreram assassinados no Jardim Elba, zona leste da cidade de São Paulo, na quinta-feira (21/5).

    Segundo familiares de Juan, um policial civil teria entrado na casa e executado o rapaz. Uma caminhonete branca, supostamente usada pelo homem no crime, posteriormente aparece sendo escoltada por viaturas da PM paulista.

    De acordo com Marisa Feffermann, integrante da Rede de Proteção, a ideia da campanha é manter as ações mesmo durante a pandemia de coronavírus.

    “O isolamento faz com que não possamos chegar nos locais em que as pessoas denunciam violência. Com a iniciativa conseguimos seguir recebendo denúncias e cobrar respostas do poder público”, sustenta.

    Leia também: ‘Acabou a esperança de achar ele vivo’, diz pai de Cadu, desaparecido há mais de 2 meses

    No informe sobre a nova ferramenta, a Rede explica que SP ganhou as manchetes por ser o epicentro do coronavírus, mas o governo de João Doria (PSDB) promove “uma movimentação de morte pelo uso de armas e da força avança por quem já vive sob ameaças e medo”.

    “É extremamente importante termos um mapeamento da violência nas periferias de São Paulo, isso nos dará informações sobre onde agir e acionar os órgãos competentes para que cumpram com sua função”, sustenta o coletivo.

    Ainda há um formulário para denúncia de violações dos direitos trabalhistas em meio à quarentena. A Rede oferece suporte para quem perder o emprego ou tiver problemas em seus trabalhos por conta da Covid-19.

    Serviço:

    Campanha da Rede de Proteção

    Denúncia de violência policial:
    https://forms.gle/f446ajmbiPpcmyVC6

    Violações de direito do trabalho:
    https://forms.gle/qpEcaq1QgWAn4nys6

    Canais de comunicação com a Rede:
    Facebook
    Instagram

    O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é ajude_coronavirus.jpeg

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas