x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Reduto militante, Espaço Cultural Latino Americano, o Ecla, corre risco de fechar

18/11/20 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Pandemia de coronavírus afetou a sobrevivência do local, cuja principal renda é seu bar: ‘dificuldade financeira enorme’, admite fundador

Após 11 anos de serviços prestados à causa, o Espaço Cultural Latino-Americano, símbolo de resistência política no Bixiga, bairro da zona central de São Paulo, está sob o risco de fechar as portas.

Com a pandemia de Covid-19, o espaço, que funciona como ponto de encontro, cineclube, espaço de ensaio e mais, perdeu sua principal fonte de renda: o bar. Assim, sem renda durante o isolamento social, existe o risco real de não abrir nunca mais.

Leia mais: Prefeitura de SP quer expulsar espaço cultural com 9 anos de funcionamento na periferia

“O Ecla está passando uma dificuldade financeira enorme. Estamos fechados desde março”, lamenta Claudimar Gomes, fundador do espaço.

“Os companheiros que frequentam foram dando opiniões. Foi enriquecendo pelo caminho e virou o que o Ecla é hoje”, explica Gomes, cercado pelos símbolos do local. São bandeiras, quadros e faixas de grupos voltados para a democracia.

Leia mais: Em meio a idas e (não) vindas, a Casa Nem encontra sua casa

As histórias folclóricas do Ecla, chamado carinhosamente também de Toca do Saci, abundam. Durante um evento religioso antifascista, um reverendo desenhou um Karl Marx na parede do bar. A estátua de isopor de Vladmir Lênin segue lá, agora de máscara. Mas essa alegria pode estar prestes a acabar, a não ser que Claudimar encontre uma solução para o perrengue atual.

À Ponte, ele admitiu que cogitou fechar o espaço e abrir um “boteco qualquer para viver” ao ver as dívidas aumentando e aumentando. Isso, conta, na hora da raiva. Logo colocava a cabeça no lugar.

Ajude a Ponte!

“Quando você começa a refletir… Como é que eu vou viver sem essa discussão, sem esses companheiros que vem conversar? Não tem como! É uma coisa para sempre”, reconhece.

Para evitar que o espaço seja perdido, o fundador do Ecla criou uma campanha de arrecadação online na plataforma Apoia-se. Quem puder contribuir, basta acessar o link: apoia.se/eclatocadosaci.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>