x

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

princípios

quem a gente é| quem faz | contato | denuncie | princípios | erros e correções | matérias | história | impacto | quem financia | republique

defesa dos direitos humanos

Usamos a informação qualificada para ampliar a aceitação e o entendimento sobre os direitos humanos por todas as pessoas. 

jornalismo de causa

Entendemos o jornalismo não como uma atividade comercial nem como um fim em si mesmo, mas como uma ferramenta a serviço da luta pelos direitos humanos, contra o racismo e todas as opressões de raça, gênero e classe.

ampliação de vozes

A cobertura jornalística da Ponte busca ampliar as vozes de grupos e pessoas historicamente invisibilizadas e caladas no debate público. Buscamos em cada reportagem destacar essas vozes e seus pontos de vista, inclusive acima das versões oficiais das autoridades.

sem fins lucrativos, profissional e sustentável

Organizada como uma associação sem fins lucrativos, a Ponte busca criar uma estrutura profissional, capaz de remunerar a todos os envolvidos e garantir a continuidade do seu trabalho.

jornalismo preciso

Entendemos o jornalismo que fazemos como preciso nos dois principais sentidos da palavra, o de “essencial, necessário” e o de “realizado com exatidão”. Na apuração, seguimos os parâmetros que norteiam o melhor jornalismo na sua busca pelos fatos: uso de fontes primárias, checagem de todas as informações, distinção entre fatos e versões, acesso a diversos pontos de vista e ao contraditório, análises por especialistas reconhecidos em suas áreas.

ao lado dos oprimidos

Nossas reportagens buscam ouvir todos os envolvidos em um fato, mas valoriza principalmente o ponto de vista de quem sofre uma opressão. No relato de uma morte cometida pelo Estado, por exemplo, a versão oficial estará presente, mas destacaremos mais do que tudo a fala dos que sofreram com a violência. Não acreditamos em dar igual espaço a opressores e oprimidos para pagar de isentos. Ao fazer isso, não fazemos nada além do que aplicar na prática a recomendação do Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros, que afirma, em seu artigo 9º, que é dever do jornalista “Opor-se ao arbítrio, ao autoritarismo e à opressão, bem como defender os princípios expressos na Declaração Universal dos Direitos do Homem”.

apartidarismo

A Ponte tem lado, mas não tem partido. Não apoiamos qualquer grupo político e nossa cobertura trata a todos com os mesmos critérios, sem passar pano nem fazer implicâncias.

democracia interna

Em seu funcionamento interno, a Ponte busca criar um ambiente de respeito mútuo e debate constante entre todos os membros sobre as principais decisões do grupo. O que não implica abrir mão de hierarquias e da divisão de funções, nem da presença de um núcleo estratégico que tem a palavra final. 

um jornalismo que constrói pontes

Fazemos parcerias constantes com outros veículos de comunicação, e também com instituições da sociedade civil e da academia, que estão na mesma luta pelo respeito aos direitos humanos. 

jornalismo de impacto

O conteúdo produzido pela Ponte deve gerar o máximo possível de impacto capaz de produzir mudanças na sociedade, e para isso recorremos a ferramentas de contação de histórias, estratégias de redes sociais e parcerias.

vidas e corpos humanos importam

As vidas humanas e os corpos que as contém são o centro da nossa cobertura. Sempre que um mesmo fato envolver danos a vidraças ou a ônibus e pessoas feridas ou mortas, a cobertura da Ponte vai destacar os danos feitos a corpos ou vidas e deixar os objetos quebrados em segundo plano. Deveria ser óbvio, mas uma boa parte da mídia brasileira hegemônica  privilegia o patrimônio sobre as vidas de negros e pobres.