Travesti negra é amarrada pelos pés e agredida com pedaço de madeira no Piauí

Vídeo mostra homens batendo em vítima dentro de porta-malas de um carro em Teresina sob a alegação de que ela furtou moradores; “tortura e barbárie”, diz Associação Nacional de Travestis e Transexuais

Uma travesti conhecida como Amaral foi filmada com os pés amarrados e recebendo golpes de pedaço de madeira dentro de um porta-malas em Teresina (PI). As imagens foram divulgadas nas redes sociais na segunda-feira (19/7) e tomaram repercussão após a Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) cobrar posicionamento da prefeitura da cidade, do governo do estado e da GCM (Guarda Civil Municipal), cujos guardas aparecem em parte da gravação no local, observam a vítima jogada no chão com os pés amarrados e a algemam depois que a corda é retirada dos tornozelos. Ela ainda aparece sendo conduzida à caçamba da viatura prefixo GCM-31 e um dos agressores parece que é levado pela guarda, mas a filmagem é interrompida.

De acordo com a gerente de enfrentamento à LGBTfobia da Superintendência de Direitos Humanos da Secretaria Estadual de Assistência Social, Trabalho e Direitos Humanos do Piauí Joseane Borges, Amaral foi colocada em liberdade logo em seguida e a equipe da pasta está tentando procurá-la para fazer o encaminhamento aos serviços de assistência social. “Os relatos é de que ela já era conhecida por praticar furtos e ontem disseram que ela furtou um botijão de gás de uma residência e um colar de um morador, que ela vive em situação de rua e teria problemas psicológicos”, afirma. “Se ela errou, que ela pague pelo crime dela, mas não dessa forma. Nós temos leis e uma pessoa não pode ser torturada num Estado Democrático de Direito”.

Leia também: Em menos de um mês, três mulheres trans são mortas e uma está internada após ser queimada viva em PE

Joseane também declarou que solicitou reunião com o comando da GCM. “Eles foram omissos com as agressões que ela sofreu, a algemaram e não chamaram a polícia como deveria ser feito”, critica. “Não podemos justificar um crime cometendo outro, ainda mais se tratando de uma travesti negra, que é a população que mais morre entre os LGBTs. É tortura”.

A Antra considerou o episódio uma “barbárie”. “É inadmissível a espetacularização da violência contra pessoas trans de forma pública e aceita de forma naturalizada por quem assiste passivamente esse horror!”, disse em posicionamento no Twitter. “Que ela seja levada a justiça pelo seu erro, mas que tenha suporte diante de tamanha violência. E que esses torturadores que aparecem no vídeo sejam denunciados ao Ministério Público, processados ​​e paguem pelo que fizeram. Tortura é crime! Não há justiça com as próprias mãos.”

O que diz a prefeitura

A Ponte procurou a assessoria da GCM sobre o caso, que encaminhou a seguinte nota:

A Guarda Civil Municipal de Teresina (GCM) esclarece que atendeu a uma ocorrência no residencial Parque Brasil III, zona Norte de Teresina, nesta segunda-feira (19). Ao chegar ao local, a equipe encontrou com uma travesti amarrada, suspeita de furtar apartamentos na região. Após ouvir os envolvidos, os membros da corporação que acompanhavam a ocorrência orientaram que o suposto agressor a desamarrasse.

Na sequência, a suspeita foi algemada e, juntamente, com o suposto agressor, foram conduzidos à Central de Flagrantes de Teresina para apuração do caso. Sobre um vídeo em que a travesti aparece sendo espancada no porta-malas de um carro, a GCM não presenciou o fato, uma vez que chegou ao local posteriormente.

Em hipótese alguma, a Guarda Civil Municipal de Teresina defende que seja feita Justiça com as próprias mãos. Por fim, o comando da GCM vai avaliar se houve falhas no procedimento.

Ajude a Ponte!

O que diz a Polícia Civil

A reportagem também questionou a corporação sobre o encaminhamento à delegacia. A assessoria do órgão declarou que “a Delegacia de Direitos Humanos e Repressão às Consultas Discriminatórias abriu procedimento investigativo para apurar o caso” e não deu mais detalhes.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas