Policiais expõem e ridicularizam adolescente vítima de estupro coletivo

PMs e um delegado da PF compartilharam imagens expondo adolescente. Posts comparavam menina com burrinha e cadela no cio

 

No Facebook, policiais postaram nos últimos dias fotos que expunham o rosto da adolescente carioca de 16 anos que denunciou um estupro  praticado por mais de 30 homens. Algumas das postagens também ridicularizavam a menina, com textos que a chamavam de “vadia” e imagens que a comparavam com burrinhas e cadelas no cio. Entre os autores, estão policiais militares do Rio de Janeiro e um delegado da Polícia Federal.

As postagens podem ser consideradas violações do artigo 17 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê “o direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais”.

Um dos policiais que expôs imagens da adolescente estuprada foi o sargento da PM carioca Afonso Claudio de Meireles. Ele compartilhou um post de Alexandre Romano (que menciona em seu perfil já ter trabalhado na Polícia Militar do Rio de Janeiro) dizendo que a garota era uma “viciada que se misturava com traficantes e ostentava armas”.

20160530-estupro4
Criticado em um comentário por um amigo, o sargento rebateu xingando a adolescente de 16 anos de “vadia”:

20160530-estupro6

Patentes mais altas não foram menos grosseiras. O major Elitusalem Gomes de Freitas fez posts atacando a “mídia hipócrita” e a “esquerda criminosa”, dizendo não ter havido estupro, mas “uma suruba entre membros do tráfico”. Em um deles, publicou a foto de uma cadela no cio, rodeada de cães, acompanhada do comentário “Imagem inédita do caso mais falado na mídia atualmente”.
20160530-estupro1O major não foi o único a fazer piadas e comparar a menina estuprada com animais. O soldado Weslley Santos Cosme foi pelo mesmo caminho, inclusive em um post escrito ontem.
20160530-estupro320160530-estupro9

Outra postagem expondo o rosto da adolescente foi compartilhada pelo delegado Fábio Scliar, da Polícia Federal, que deve conhecer bem o Estatuto da Criança e do Adolescente, já que afirma, em seu perfil no Facebook, ser mestre em direito público e professor de direito constitucional e ambiental. Scliar compartilhou um post contendo 12 fotos da adolescente estuprada. No post original, assinado por Igor Almeida, que se identifica como policial militar do Rio, o autor afirmava que não se comovia com o estupro coletivo porque a menina seria “um deles” — dos bandidos. “Não desejo q pessoas de bem sejam vítimas de nenhum tipo de violência. Seja mulher, homem, criança, idoso… Agora, bandidos e suas rabiolas, nada q aconteça com eles consegue gerar em mim um pingo sequer de sofrimento”, atacava o post.20160530-estupro8
A postagem do delegado recebeu muitas críticas dos próprios amigos nas redes sociais. “E o Sr. compartilha esse lixo?”, perguntou um deles.

O mesmo texto compartilhado pelo delegado havia aparecido antes na timeline da Cabo Ny Tavares, uma PM que tem até uma página em sua homenagem na rede social, em que é chamada de DivaPmrj.

20160530-estupro7

No seu perfil, além de comemorar a extinção da pasta dos Direitos Humanos no governo Temer, a “diva” aproveita para atacar as feministas numa foto em que empunha um fuzil.
20160530-estupro5

E a próxima geração de policias não terá uma postura muito diferente, a julgar pelas declarações de um blogueiro identificado como Ricardo Vilete Chudo Rvchudo, que afirma ser um “aluno dedicado da PMERJ”. Em seu blog, o estudante escreveu um texto em que expõe a adolescente em cinco fotos e afirma que ela “está sendo orientada a declarar ter sido realmente estuprada e se sentindo debilitada com o ocorrido”. O blog também compara a menina com a atriz pornô Paty UPP, conhecida por fazer sexo grupal (consentido) com policiais:
20160530-estupro8A página Faca na Caveira, mantida por apoiadores da violência policial, também publicou fotos da menina, mas foram retiradas. Os responsáveis pelo Faca se justificaram, reconhecendo que a publicação das imagens da adolescente era ilegal, mesmo ela “sendo frequentadora de bailes funk” e “não sendo tão inocente assim”. E recomendou evitar divulgação do nome e do rosto para não dar problemas às “pessoas de bem”.20160530-estupro

Outro lado

Questionada pela Ponte se o comportamento do delegado Scliar poderia ser considerado uma infração ao Estatuto da Criança e do Adolescente, a assessoria de imprensa da Divisão de Comunicação Social do Departamento de Polícia Federal respondeu por e-mail: “Não é atribuição desta assessoria comentar situações desse tipo. Orientamos que entre em contato com a Corregedoria do órgão ao qual o profissional está vinculado para obter tal esclarecimento”. Em contato telefônico, a Corregedoria-Geral informou que não daria entrevistas e sugeriu um contato com a Superintendência Regional no Rio de Janeiro, que ontem não atendeu aos telefonemas.

Sobre as atitudes dos policiais militares cariocas, a Ponte procurou a assessoria da Secretaria de Estado de Segurança do Rio, que não respondeu.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar