Artigo | Justiça criminal e supremacia branca frente a guerra às drogas

Acompanhando a publicação do terceiro vídeo da série Justiça e Guerra às Drogas, Iniciativa Negra denuncia que a guerra é uma opção política do racismo

As comunidades negras brasileiras que vivem em áreas periféricas estão sob ataque constante promovido em nome do modelo de guerra às drogas, uma engrenagem transnacional, que financia e colabora com o genocídio negro na diáspora, atuando de forma decisiva na distribuição desigual de possibilidades de vida, na concentração da riqueza, na espoliação dos Estados nacionais e na elaboração de um capital humano restrito, onde a humanidade é o que mais possa se aproximar da branquitude, e os demais povos racializados são subjugados a lógica desta supremacia. 

A política proibicionista de drogas se sustenta em convenções restritivas que incentivam a criação de tipos penais, que se aplicam a específicos grupos raciais e sociais subalternizados, os associando a cada substância criminalizada, fazendo surgir novas ferramentas de controle social dos indesejáveis e de gestão da miséria. Esse modelo, ao final do século XX,  radicaliza-se, consolida os marcos de uma guerra internacional que legitima e financia guerras internas e distribui a morte, o cárcere e o estigma como politica de Estado.

A guerra é uma opção política, uma máquina de ampliação de violência, e organização do crime, e tem motivado o reforço do punitivismo racial e do controle territorial através do massacre, que empurra parte significativa da sociedade, pela intensificação do medo, a apoiar ou reforçar medidas violentas para a superação dos problemas, escamoteando outros caminhos possíveis.

A visão portanto que o tráfico de drogas se processa dentro das comunidades através do varejo de substâncias, e que deve ser ali portanto a ação prioritária do Estado no chamado “combate” às drogas não encontra qualquer respaldo na realidade. Não existe tráfico de drogas sem o financiamento, participação, organização, e sobretudo lucro de grandes grupos econômicos transnacionais, além de agentes do Estado em lugares estratégicos, distribuídos em todos os poderes.

O processo de criminalização das drogas se desconecta na vida prática, do conhecimento científico, e do amplo conhecimento humano das substâncias e se relaciona com aplicação racializada dos entendimentos penais, e a produção de controles contra populações marginalizadas operada pelo direito penal. É preciso ressaltar que não é, em último caso, os dispositivos contidos na lei de drogas apenas que estão criminalizando as pessoas, a partir da relação destas com o uso e/ou comércio de algo tornado ilícito. Há um conjunto de dispositivos criminalizatórios articulados que atingem pessoas, seus territórios, suas culturas, suas possibilidades de vida, e que estão conectados com instrumentos históricos de controle, vigilância e punição sobre determinados corpos. 

O fazer morrer ou deixar viver aciona o fato de que a vida e a morte não são desses fenômenos naturais, imediatos, de certo modo originais ou radicais, que se localizariam fora do campo do poder político. Perde-se a liberdade, inclusive de exercer-se o direito sobre a própria vida e morte, que passa a ser atribuição da vontade soberana. A atuação dos mecanismos de controle é fundamental, a vigilância permanente formatada sob a construção do criminoso e do crime, que põe não apenas as instituições, mas as pessoas em vigilância do outro, e a punição como reforço negativo e como exercício necropolítico do soberano,  são as engrenagens que movem a captura do Estado sobre a vida, a morte e a liberdade desde o pós-abolição[1].

É preciso reconhecer as práticas de genocídio antinegro, que caracterizam países em desenvolvimento, e que longe de se constituir como uma exceção, fazem parte de um continuum que marca as nações da diáspora negra. Nega-se aos membros das comunidades negras na diáspora o direito de sobreviver plenamente como cidadãos ou seres humanos – o genocídio como um fato constitui o sustentáculo, a base de onde as variadas manifestações de negritude que definem a diáspora são construídas[2].

Os prolongados e custosos conflitos internos impactam diretamente na capacidade de investimento do Estado em políticas públicas, sequestram vultosos recursos para a indústria bélica, direcionam as expectativas para uma disputa de poder de fogo entre “o Estado e o crime”, que incentiva ciclos de violência intermináveis e impedem qualquer perspectiva de incentivo à construção da paz. A guerra corrói o tecido social nos países em conflito, e incentivam a altíssima polarização das comunidades. 

A política da justiça criminal administra punição para alguns e o bem-estar de outros, além do que administra vitimização para outros ainda[3]

Para a política de justiça criminal, a subsidiam pânicos morais ou ‘tensões sociais’ que descreve o Outro como inferior, perigoso, criminoso e amoral[4], mesmo quando aquele que está no controle é envolvido em políticas genocidas em relação ao Outro. O que não é branco é considerado o Outro. O crime passa também a ser mitificado, e observadas as estatísticas das prisões, onde majoritariamente os não-brancos estão super-representados, conduz a uma visão de que a pobreza causa o crime. Nos propomos a partir do espectro da guerra às drogas, no entanto, a fortalecer uma outra corrente nesse campo onde o poder é causa determinante das ideias de crime e, portanto poderemos ampliar a visão de que aqueles que têm menos probabilidade de acabar na prisão não são necessariamente mais cumpridores da lei. Se poderosos têm mais recursos para se defender com sucesso, mesmo quando cometem crimes, enquanto os pobres têm maior probabilidade de serem presos mesmo quando falsamente acusados, o poder distribui de forma inequívoca os alcances da justiça criminal.

Os estigmas produzidos por esse modelo são também conectados com a distribuição desigual e anterior de “humanidade”, ou seja, eles guardam proporções particulares para cada população afetada. Aplica-se um nível de degradação gradiente com limites bem estabelecidos entre até onde “seriam levados” os brancos, e até onde “chegariam” todos os demais povos, o Outro. A degradação de pessoas brancas pelo uso de drogas não afeta a sua condição de “humanidade”, e é muitas vezes entendida como um resultado passivo de afetações externas.

[1] MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, PPGAV, EBA, UFRJ, n.32, dez. 2016.

[2] VARGAS, João H. Costa. A Diáspora Negra Como Genocídio: Brasil, Estados Unidos Ou Uma Geografia Supranacional Da Morte E Suas Alternativas. Revista da ABPN, v. 1, n. 2 – jul.-out. de 2010.

[3] AGOZINO, Biko. Theorizing Otherness, the War on Drugs and Incarceration. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1362480600004003006. Acessado em 12/07/2021.

[4] SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Dudu Ribeiro, historiador, e Nathália Oliveira, socióloga, são cofundadores e coordenadores da Iniciativa Negra por Uma Nova Política Sobre Drogas

SÉRIE ANIMADA | Justiça e Guerra às Drogas
Onde: 
estreia no YouTube da Ponte Jornalismo, com replicação em:
– Yahoo! Notícias
– El País
– Rede TVT
– Canal do JUSTA 
– Canal da Plataforma Brasileira de Política de Drogas
– Canal da Iniciativa Negra
Quando: terças, até 19/10 (os vídeos continuam disponíveis depois)

QUEM SÃO OS AUTORES

JUSTA
Projeto de pesquisa que se propõe a facilitar o entendimento e a visualização de dados do financiamento e da gestão do sistema de justiça de maneira acessível e inovadora. 

Plataforma Brasileira de Política de Drogas
Rede para a atuação conjunta de organizações não governamentais, coletivos e especialistas de diversos campos de atuação que busca debater e promover políticas de drogas fundamentadas na garantia dos direitos humanos e na redução dos danos produzidos pelo uso problemático de drogas e pela violência associada à ilegalidade de sua circulação

Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas
Organização da sociedade civil que atua pela construção de uma agenda de justiça racial e econômica promovendo ações de advocacy em direitos humanos e propondo reformas na atual política de combate às drogas.

Ponte Jornalismo
Defende os direitos humanos por meio do jornalismo, com o objetivo de ampliar as vozes marginalizadas pelas opressões de classe, raça e gênero e colaborar na sobrevivência da democracia brasileira.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas