x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

‘Eu já tô morta. Não dá pra morrer duas vezes’, diz Dona Zilda, mãe de vítima da maior chacina de SP

17/08/20 por Caio Castor, da Agência Pavio

Compartilhe este conteúdo:

Mães das 19 pessoas assassinadas em agosto de 2015 organizaram protesto em memória dos filhos; três PMs e um guarda civil foram condenados pelo crime

A saudade de Zilda Maria de Paula já dura 5 anos, quando ela perdeu seu filho, Fernando Luis de Paula. Ele foi assassinado junto a outras 18 pessoas na maior chacina da história de São Paulo, em 13 de agosto de 2015.

As vítimas foram mortas em ataques que aconteceram nas cidades de Osasco, Barueri, Carapicuíba e Itapevi, na Grande São Paulo. Além da ausência, as famílias lutam por justiça e reparação.

No sábado (15/8), um ato no Jardim Munhoz, em Osasco, reuniu familiares e amigos em memórias das vítimas, com participação das Mães de Maio e da Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio. “Essa chacina veio porque infelizmente mataram dois policiais, um policial e um GCM. Foi uma vingança, porque quem matou os policiais foram presos, mas quem pagou o preço foram os meninos. E nós estamos com essa ferida”, declarou Dona Zilda após o protesto.

Leia também: Réus da chacina de Osasco são condenados a penas de 100 a 255 anos de prisão

Zilda se refere aos assassinatos do cabo da PM Ademilson Pereira de Oliveira, em 7 de agosto, e de Jefferson Luiz Rodrigues da Silva, GCM de Barueri, em 12 de agosto. Os ataques em represália às mortes dos agentes de segurança terminaram no dia 13, mas tiveram seu início no dia 8 e as vítimas, entre mortos e feridos, superam 30 pessoas.

Três PMs e um GCM foram condenados pelos ataques do dia 13. O PM Victor Cristilder Silva dos Santos e o GCM de Barueri, Sérgio Manhanhã, sentenciados a 119 e 100 anos, respectivamente, aguardam novo julgamento, depois de terem a sentença revertida em segunda instância. Os PMs Fabrício Emmanuel Eleutério e Thiago Barbosa Henklain foram condenados a 255 e 247 anos de prisão, e foram expulsos da corporação.

“Eu tenho muita saudade do meu filho que foi morto com 16 anos. Vi meu filho morto. Eu procurei o olho do meu filho e não achei”, declarou, emocionada, Maria José Lima Silva, mãe de Rodrigo Lima da Silva.

O ato teve alguns discursos e terminou com uma fala de Zilda homenageando todas as mulheres que lutam por justiça. “Todas as mães vítimas de terem perdido seus filhos. Contem com nós nessa guerra”, disse Zilda ao microfone, tendo como resposta dos participantes: “Presente!”.

Construa a Ponte

Dona Zilda afirma que nunca foi ameaçada, mas que tem consciência de que pode sofrer algum tipo de represália. Ao mesmo tempo, afirma que morreu no dia que Fernando Luis foi morto e, por isso, não dá pra morrer de novo. “Não posso dizer que vou deixar minha história, porque só são cinco anos. Mas vou deixar meu rastro”, conclui.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>