x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

‘Minha mãe passou batom nela antes de ser enterrada’, lamenta irmão de mulher trans assassinada em SP

04/09/20 por Caê Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

Chiara Duarte Pereira, 27 anos, foi morta com duas facadas e jogada do 7º andar de um prédio no centro da cidade; irmão afirma que o motivo do crime foi transfobia

Chiara foi morta com duas facadas e jogada 7º andar de um prédio no centro da cidade de São Paulo | Foto: Arquivo pessoal

“Cheia de vida, feliz e intensa, tudo na mesma medida” é como o irmão de Chiara Duarte Pereira, 27 anos, lembra dela. Toda essa alegria e intensidade foi tirada de Chiara na madrugada do dia 2 de setembro de 2020.

Duas facadas e um corpo jogado pela janela do 7º andar de um prédio. Foi assim que Chiara morreu, executada pelo vendedor ambulante Jefferson Pereira Santos, 18 anos. Ele foi preso em flagrante quando colocava fogo em roupas sujas de sangue no prédio onde estava com mulher, que fica localizado na esquina da Avenida Rangel Pestana com a Rua Dr. Bitencourt Rodrigues, a metros do Marco Zero de São Paulo, na região da Sé.

O caso é investigado pelo 8º DP (Brás), onde Jefferson disse que matou Chiara porque se sentiu “enganado” por descobrir que ela era uma mulher transexual ao fazer um programa. Ele narrou que conheceu Chiara na Praça da Sé, praticamente ao lado do local do crime. Na versão do acusado, ele havia tentando expulsar ela do quarto, mas ela se recusou a sair até que ele pagasse pelo serviço.

Leia também: Morte de pessoas trans caiu 24% no primeiro ano do governo Bolsonaro

Em entrevista à Ponte, o corretor Luan Duarte, 25 anos, irmão mais novo da vítima, lamentou a morte de Chiara. “Foi um crime de ódio, transfóbico. O momento de receber a notícia foi horrível. Foi um baque para mim. Vamos tomar todas as atitudes cabíveis pra esse monstro continuar na cadeia. Não podemos deixar a Chiara ser só mais um caso”.

Luan, que também é LGBT+, conta que Chiara não morava com a família, mas residia na Casa Florescer 2, centro de acolhida para pessoas trans e travestis, localizada Vila Nivi, na região do Tucuruvi, na zona norte da cidade. Sua família é do Jardim Ângela, na zona sul.

“A Chiara nunca teve problema com a família, ela não morava com a gente, mas não foi por briga, ela gostava de transitar. Nem na Casa Florescer ela ficava muito. Eu sou gay e a minha mãe sempre nos aceitou. Amor e presença nunca nos faltou”, conta.

Leia também: LGBTIfobia virou crime: por que nem todo mundo está comemorando

No velório de Chiara, conta Luan, Lucilene Duarte, matriarca da família, fez um último pedido antes do caixão descer os sete palmos. “Minha mãe falou que a filha dela não ia ser enterrada de qualquer jeito. Aí minha mãe e uma amiga da Chiara maquiaram ela. Minha mãe passou batom nela antes de ser enterrada. Ela foi enterrada linda, linda, linda, linda”.

“Parecia que ela estava só dormindo apesar de toda a crueldade que ela foi submetida. Eu não sei se falo graças a Deus ou se falo amém, mas o rosto dela estava intacto, mas o corpo estava bem machucado”, lamenta.

Luan (à esq.) enviou à reportagem um print de uma “lembrança” no Facebook com uma montagem que fez com a irmã Chiara (à dir.), já que ela não gostava de tirar fotos com a família

O irmão lembra como foram as “saídas do armário”, dele e de Chiara. “Eu desde pequenininho já sabia que era gay. Com 14 anos, me assumi. A Chiara só apareceu Chiara, sem falar nada, aos 17 anos. Eu contei para a minha mãe, que com o tempo foi aceitando. Jamais pensou em expulsar a gente de casa por sermos gay ou trans, só cobrava que a gente fosse honesto”.

Por isso, Luan afirma que vai até o fim para preservar o legado de Chiara. “Eu sinto como se fosse em mim. Não adianta, a gente tá junto, com a gente é sempre crime de ódio, sempre aquela ideia estúpida de homem ou mulher. Eu vou até o fim, até quando não tiver mais ninguém para ouvir”.

“Eu vi vários comentários transfóbicos e horríveis sobre a morte da minha irmã. Eu já passei preconceito por ser uma bicha roqueira afeminada, mas nunca imaginei passar por algo assim”.

Ouça também: PonteCast | ‘Falar de segurança pública para população LGBT é falar do que não existe’

Agripino Magalhães, ativista da ONG LGBT+, foi o primeiro a saber do crime e agora acompanha o caso. Na próxima terça-feira (8/9), a família de Chiara irá ao Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) para solicitar a inclusão do crime de ódio e feminicídio no boletim de ocorrência.

O que diz a SSP

A reportagem procurou a Secretaria da Segurança Pública para obter mais informações sobre a prisão do suspeito e para saber quais medidas a pasta está tomando para proteger pessoas trans em situação de vulnerabilidade social, principalmente as que são profissionais do sexo, e aguarda retorno.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>