x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

‘Não falamos de um crime de 1975, a violência de Estado ocorre hoje’, diz filho de Vladimir Herzog

27/05/17 por Maria Teresa Cruz

Compartilhe este conteúdo:

Para Ivo Herzog, morte do pai pela ditadura e as execuções de jovens na periferia pela PM diferem apenas em um ponto: antes a motivação era política, hoje o recorte é classista e racista. Ouça a entrevista

Aquela máxima de que “a história não os absolverá” pode estar perto de se confirmar no caso do assassinato do jornalista Vladimir Herzog. O crime está sendo julgado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, já que lei da Anistia impediu que torturadores do regime militar respondessem pela morte de Herzog. O jornalista foi assassinado em outubro de 1975, no DOI-Codi, por militares, depois de passar por uma longa sessão de tortura.

Caramante

O jornalista Vladimir Herzog foi assassinado em outubro de 1975. Ditadura simulou suicídio – Image: Reprodução

O IPM (inquérito policial militar), no entanto, considerou que Vlado se matou. A foto de Herzog com a corda no pescoço e pendurado em uma janela, de autoria de Silvaldo Leung Vieira, que ficaria famosa por evidenciar o suicídio forjado pela ditadura, não foi suficiente para modificar a conclusão da investigação dos militares.

Agora, a Corte Interamericana de Direitos Humanos retoma o caso Herzog e julga a responsabilidade do Estado brasileiro nesse crime, que marcou para sempre uma família e tenta reparar uma das maiores injustiças da história do nosso país. A viúva de Herzog, Clarice, símbolo da luta em honrar a memória do companheiro, depôs na Costa Rica, onde acontece o julgamento, nesta semana.

Ivo Herzog, filho mais velho de Vlado, disse que responsabilizar o Estado nesse caso não é por algo do passado, mas justamente do presente, já que as violações dos direitos humanos pelo braço armado do Estado continuam acontecendo: “O que a gente viu recentemente foi a Justiça brasileira anulando o julgamento do Carandiru. Tivemos há dois meses policiais inocentados naquele crime em que foi filmado um policial arremessando um rapaz do telhado de uma casa e outro sendo executado. O Ministério Público do Estado de São Paulo é o guarda costas das forças de segurança”, afirmou Ivo.

TJ-SP anula julgamentos que condenaram PMs envolvidos no Massacre do Carandiru

Comissão Interamericana convoca ministro José Serra para audiência sobre Carandiru

MP recorre ao STJ e STF contra anulação do júri do Massacre Carandiru

PMs acusados de participar do Massacre do Carandiru irão à júri novamente

Confira a entrevista:

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>