‘Não há distinção entre presos políticos e comuns’, diz Luka Franca, do MNU

10/07/21 por Paulo Eduardo Dias

Compartilhe este conteúdo:

Para a coordenadora do Movimento Negro Unificado, prisões de militantes políticos brancos, como Rodrigo Pilha e Matheus Machado Xavier, segue a mesma lógica de violação de direitos praticada contra a população negra

Presos aglomerados em Lucélia (SP), após uma rebelião em 2018 | Foto: Ponte Jornalismo

No momento em que a expressão “prisão política” ganha força para se referir a prisão de militantes políticos brancos, como Rodrigo Pilha e Matheus Machado Xavier, a Ponte entrevista a jornalista e estudante de direito Luka Franca, integrante da Coordenação Estadual do Movimento Negro Unificado São Paulo, para falar sobre um lema adotado pelo MNU desde sua fundação, em 1978: “todo preso é um preso político”.

Rodrigo Grassi Cademartori, o Rodrigo Pilha, 43 anos, foi detido após expor uma faixa com a inscrição “Bolsonaro Genocida”, em 18 de março, e mandado para a prisão, em Brasília, em razão de duas condenações anteriores, por desacato e embriaguez ao volante. Nesta semana, Pilha divulgou uma carta afirmando que está fazendo greve de fome para “denunciar e chamar a atenção da sociedade para os maus-tratos” do Centro de Progressão Penitenciária do Distrito Federal, onde permanece detido apesar de ter obtido direito ao regime aberto. Já Matheus Machado Xavier, 25 anos, foi detido por levar o capacete de um segurança do Metrô, após um confronto durante um protesto contra Bolsonaro na Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, no último dia 3, e autuado por furto e lesão corporal.

Nesta entrevista, Franca comenta que Pilha e Xavier sofrem “a mesma coisa que todos os outros presos do país vivenciam” e explica a posição do Movimento Negro Unificado de não fazer distinção entre prisões políticas e comuns. Para ela, “a não garantia dos direitos que estão previstos, por exemplo, no Código de Processo Penal e na Constituição Brasileira, para quem é preso por conta de uma manifestação política, são os mesmos direitos que são negados aqueles que são conhecidos como preso comum”. Segundo a militante, “o processo de encarceramento em massa sempre serviu para tirar nosso povo da rua”.

Ponte – Movimentos sociais e alguns veículos de esquerda chamam pessoas brancas presas, como Rodrigo Pilha e Matheus Machado, de “prisões políticas”. O próprio Pilha, contudo, deixa claro na carta que escreveu que os abusos que ele sofre na prisão são os mesmos aplicados contra qualquer prisioneiro. Desde sua fundação, em 1978, o MNU questiona essa distinção e afirma o lema de que “toda prisão é política”. Por quê?

Luka Franca – Primeiro porque faz parte de uma compreensão de que o processo de encarceramento em massa sempre serviu para tirar nosso povo da rua, dos espaços. A sociedade nos marginalizou. Com a Lei Áurea não tem criação de emprego, a gente é jogado cada vez mais às margens da sociedade. Nós temos instituições como manicômios e prisões, que vão sendo cheias de pessoas pobres, pessoas negras, que são colocadas cada vez mais à margem. Então, dentro desse aspecto a gente não faz uma distinção entre os presos “comuns” e aqueles que são chamados de “presos políticos”. Porque a não garantia dos direitos que estão previstos, por exemplo, no Código de Processo Penal e na Constituição Brasileira, para quem é preso por conta de uma manifestação política, são os mesmos direitos que são negados àqueles que são conhecidos como preso comum. Por exemplo, o caso do [Rodrigo] Pilha, que teve agora o direito de progressão de pena para o regime aberto: isso é uma coisa comum no sistema carcerário, não foi apenas com o Pilha. Acontece com milhões de outras pessoas que estão encarceradas e, em geral, seus familiares não sabem nem em que pé estão os processos. A população carcerária em nosso país, em geral, não é branca, é negra ou indígena, por conta de toda a marginalização e racismo estrutural que existem em nosso país.

Luka Franca: “encarceramento em massa serve para tirar nosso povo da rua” | Foto: Arquivo pessoal

Ponte – Como o lema de que toda prisão é política está ligado à própria fundação do MNU?

Luka Franca – O MNU, que tem 43 anos, surge com dois casos de racismo. Um contra os meninos do Clube de Regatas Tietê e o outro foi o assassinato Robinson Silveira da Luz, que era um feirante. Em cima disso, vários coletivos que existiam e intelectuais se organizaram para construir uma articulação, um movimento mais amplo que desse força para a discussão racial no país, em meio à ditadura militar, e para resgatar algumas coisas que tinham de debate desde os anos 30. Se apresenta a necessidade de reagir à violência racial e se coloca a necessidade de implementação de uma democracia e que ela não fosse uma democracia com prisões, justamente por essa compreensão de que quem era assassinado pelos pés-de-pato [grupos paramilitares de “justiceiros”] ou preso era justamente o nosso povo, que não tinha direito naquele momento a voto e não tinham direitos básicos universais assegurados. Desde a origem, a gente tem essa compreensão de que o debate de enfrentamento ao racismo é necessariamente um debate de enfrentamento à estrutura de poder.

Ponte – A esquerda brasileira, de modo geral, ainda é punitivista? Como é o apoio à crítica do encarceramento?

Luka Franca – Sim. As saídas de recrudescimento penal ainda estão postas. A gente pensa a questão de pena muito à privação de liberdade. A gente não consegue pensar, por exemplo, na questão do processo penal do ponto de vista de que, quando você paga um multa, isso também é uma pena que você está cumprindo. A gente tem a falsa sensação, por conta da narrativa que se coloca, muitas vezes, de que regime semiaberto e regime aberto são uma espécie de liberdade, quando não são: ainda são cumprimento de pena. A gente debate muito pouco o que significa o processo de encarceramento em massa. Hoje existe um questionamento muito grande sobre o processo de encarceramento em massa, por exemplo, nos Estados Unidos, que é o país que mais encarcera no mundo, e no Brasil a gente avançou em alguns debates, muito por conta do significado de quem depende do recrudescimento penal se demonstrou o principal aliado do bolsonarismo e do ultraconservadorismo dentro do país. O que está acontecendo com Matheus e com o Pilha demonstram nitidamente qual é o problema de todo sistema. Porque não é só com eles. Obviamente a gente acaba notando mais porque tecnicamente o que eles cometeram foi ter uma posição política sobre determinado tema e não outras questões que são vistas como problemas, como tráfico de drogas, que são naturalizadas se justificar que precisam ser presos ou mortos. O que eles estão vivenciando é a mesma coisa que todos os outros presos do país vivenciam. Piora ainda mais na pandemia, porque a gente não tem notícia do que acontece nos presídios, justamente porque para a sociedade não importa. Aquelas pessoas que estão ali elas são indesejáveis. Isso é o processo das prisões e dos manicômios, também, de não conseguir lidar cotidianamente com as mazelas e vulnerabilidades que o capitalismo diz que garante com nos direitos.

Ponte – O fato de o principal nome da esquerda brasileira ter sido alvo de uma prisão arbitrária ajudou a ampliar a crítica às prisões pela esquerda?

Luka Franca – Eu acho que abriu espaço. Abriu-se mais espaço para esse debate. Não chegou no campo necessário ainda. Ainda acho que há alguns setores que fazem muita distinção entre o preso comum e o preso político, inclusive dentro dos debates juntos aos movimentos sociais. À época da prisão do Lula, esse era um debate importante, não só conosco do MNU, como com outros movimentos negros. Então, “a gente precisa falar da prisão do Lula, é um absurdo, é antidemocrático, tudo isso, mas a gente precisa virar e falar que o que está acontecendo com o Lula, a seletividade penal que ele está sendo tratado, é a seletividade penal está colocada para todo mundo”.

Apoie a Ponte!

Ponte – O apelo às prisões como solução ainda é muito popular mesmo entre a militância política de esquerda. É muito comum pedir que a família Bolsonaro seja presa, por exemplo. É possível apoiar a prisão em determinadas circunstâncias e ainda ser antirracista?

Luka Franca – Eu acho que sim. Porque a gente tem que lembrar qual é o debate que a gente está travando como sociedade. É possível você apresentar uma política antirracista e com uma agenda de desencarceramento e tentar dialogar com o senso comum que foi criado pelos programas policialescos. A gente está enfrentando justamente um discurso muito vazio. O bandido bom é o bandido morto ou tem que prender mesmo? Ele é um discurso vazio. Ele é só um espetáculo. É um Datena com o helicóptero. Acho que quem pede a cadeia para o Bolsonaro está tentando fazer algum tipo de diálogo. Não acho que é quebra de princípio, porque a gente está disputando com o fascismo, efetivamente falando.

Ponte – A população pobre e negra, que frequentemente é alvo da violência urbana, costuma apoiar o encarceramento em massa. Como você explica para essa população que prisões não são uma solução?

Luka Franca – Esse é o desafio mais difícil. Porque nós, que estamos numa luta antirracista, num processo de enfrentamento ao Estado, ao encarceramento em massa, a questões ideológicas, estamos a todo momento sendo disputados pelo status quo. As pessoas a todo momento ligam na TV aberta e olham como é dado o jornalismo policial. E quando essas pessoas , e infelizmente é o que acontece, se deparam com o processo de genocídio e o processo de encarceramento em massa, é um choque, porque elas se consideram pessoas de bem, mas para o Estado elas não são. E a gente tem visto muito isso e especialmente a Ponte tem coberto muito isso nesse último período: o assassinato de jovens, como as mães viram e falam desses jovens. Quando você vira e ouve as mães falando de seus filhos que foram perdidos para a polícia ou nesse processo de genocídio, é justamente como se concretiza da pior forma de que eles não estão ali para nos proteger, estão ali para nos matar e nos vigiar. Apesar de haver essa discussão de que bandido bom é bandido morto e que precisa ter leis mais duras e afins, se sabe desde pequeno como você precisa se portar para não dar motivo. Os meninos negros têm que estar com seu documentos.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>