‘Vivemos numa ditadura’, diz mãe de Matheus, preso após protesto contra Bolsonaro

12/07/21 por Paulo Eduardo Dias

Compartilhe este conteúdo:

Movimentos pedem a liberdade de tatuador, detido após ser preso com o capacete de um segurança do Metrô; em denúncia, promotor o relacionou a grupo que não existe

Matheus no 2º DP, para onde foi levado após ser detido | Foto: Polícia Civil

O tatuador Matheus Machado Xavier, 25 anos, completou uma semana preso desde que foi detido por policiais militares após um protesto contra o governo Jair Bolsonaro, na noite de 3 de julho, enquanto familiares, amigos e ativistas espalham nas redes mensagens pedindo a libertação do jovem. Para eles, Matheus é alvo de perseguição política.

Ouvida pela Ponte, a bancária Patrícia Machado, 60, mãe de Matheus, comparou a detenção de seu filho com a de outro militante, Rodrigo Pilha, também detido após um protesto contra o governo federal, no dia 18 de março, em Brasília (DF). “O país está vivendo uma forma de ditadura”, afirma.

As acusações contra Matheus

O tatuador foi preso policiais militares por volta das 21h40, na Rua Major Sertório, na Vila Buarque, com um capacete de um segurança da Via 4 (Linha Amarela) do Metrô. Matheus disse que achou o capacete na rua, após um confronto entre seguranças e manifestantes ocorrido a um quilômetro dali, diante da estação Higienópolis-Mackenzie, por volta das 20h. O Ministério Público acusa o jovem de ter agredido um dos seguranças para furtar o capacete.

Leia também: ‘Não há distinção entre presos políticos e comuns’, diz Luka Franca, do MNU

Contudo, um vídeo, incluído no processo judicial pela Defensoria Pública, mostra que um dos seguranças perdeu o capacete após tropeçar no meio-fio. “Através de vídeo gravado por manifestantes (…), é possível ver o capacete rolando para o meio da multidão, notando-se que a pessoa (não identificada) que teria gerado a queda do segurança nem mesmo faz menção de se importar com o capacete, no momento dos fatos”, afirmam os defensores Diego Rezende Polachini, Luis Fernando Vilas Boas Bonachela e Pedro Ribeiro Agustoni Feilke, no pedido de habeas corpus para Matheus.

Um outro vídeo, obtido pela Ponte, mostra Matheus comemorando com o capacete do Metrô na cabeça, na Rua da Consolação.

No 2º DP (Bom Retiro), para onde Matheus foi levado, um segurança o reconheceu e disse que o tatuador teria golpeado sua cabeça com um caibro de madeira e levado seu capacete. Um outro segurança também reconheceu o tatuador como um jovem que teria agredido seu colega, não sabendo “precisar se era [com] um pau ou um cano”.

Segundo os defensores públicos, “a absoluta certeza do reconhecimento causa grande estranheza”, pois “todos os manifestantes usavam máscara e a grande maioria estava de preto e capuz”. Para evidenciar que o confronto foi um momento de “confusão generalizada”, a Defensoria menciona uma reportagem da Ponte que relata agressões cometidas pelos seguranças do Metrô contra jornalistas.

Segundo o próprio Matheus disse em depoimento, ele passava pelo local e pegou o capacete no chão. De acordo com o relato do tatuador, sua vontade era levar o “objeto para casa”. O jovem, no entanto, nega que tenha participado de agressões. Ainda em seu depoimento, afirmou que o segurança que disse ter sido vítima teria combinado a versão com policiais militares.

Prisão “absurda e absolutamente arbitrária”

O promotor de justiça Sérgio de Assis apoiou a conversão da prisão em flagrante de Matheus em preventiva (sem prazo), afirmando que “filmagens referidas pela autoridade policial e os depoimentos dos agentes de segurança informam atuação de grupo denominado Black Bloc, notoriamente envolvido com a prática de crimes graves em meio a manifestações de cidadãos ordeiros e pacíficos”.

Ouvido pela Ponte, o professor de relações internacionais Acácio Augusto, coordenador do LASInTec (Laboratório de Análise em Segurança Internacional e Tecnologias de Monitoramento) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), afirma que o promotor atribuiu a Matheus uma ligação com um grupo que não existe. “Essa afirmação do promotor é ao mesmo tempo completamente deslocada, absurda, estereotipada, caricata, mas é também absolutamente comum, que é o que se fala toda vez que se tem uma ação dessa numa manifestação”, afirma. Acácio, um estudioso do tema, afirma que black bloc não é um movimento, mas um conjunto de táticas, que pode ser adotado por diferentes organizações. “Não existe um grupo chamado black bloc. Essa tática de manifestação não pratica crimes graves, atua dentro da manifestação”, afirma. Para o professor, Matheus está sendo mantido preso “contra uma série de preceitos democráticos constitucionais porque simplesmente se convencionou que ele é desse grupo imaginário do promotor, chamado black bloc”.

A pedido da Ponte, o advogado criminalista Renan Bohus Costa analisou o processo contra Matheus e considerou sua prisão “absurda e absolutamente arbitrária”. Segundo o criminalista, ainda que Matheus viesse a ser condenado, como os crimes pelos quais é acusado têm penas que poderiam resultar chegar no máximo a 5 anos e ele não tem antecedentes criminais, dificilmente seria condenado a uma pena em regime fechado. “Se for condenado, a pena deve ser substituída por medidas diversas, por exemplo serviço comunitário. Logo, a prisão preventiva é muito mais gravosa que a proposta pena”, aponta. “O rapaz apenas pegou um capacete e em nenhum momento atentou contra a vida de qualquer pessoa.”

A atual esperança da família para que o tatuador possa voltar para casa o quanto antes é um pedido de habeas corpus protocolado pela Defensoria Pública junto ao Tribunal de Justiça. Na última quarta-feira (7/7), o relator do pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, desembargador Farto Salles, decidiu pela votação colegiada entre sua turma, a 6ª Câmara de Direito Criminal. Com isso, haverá um julgamento virtual para decidir pela soltura ou não do tatuador. A reportagem procurou o Tribunal de Justiça para saber se já se tem a data para análise do HC. Assim que respondido, a texto será atualizado.

Nas redes, #LiberdadeparaMatheus

Também se manifestaram pela liberdade de Matheus diversos grupos, como o Movimento Passe Livre, a Agenda Nacional pelo Desencarceramento e a Rede de Resistência e Proteção ao Genocídio, que realizou um ato durante a semana em frente ao 77° DP (Santa Cecília) momentos antes da transferência de Matheus para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Pinheiros.

Quem também se posicionou através das redes sociais foi o Coletivo Combate. O movimento divulgou uma carta em seu Facebook em que afirma que Matheus Machado é “preso político das manifestações do dia 3”. Outro coletivo que se manifestou foi a Coordenação Anarquista Brasileira. Em um nota na mesma rede social, o grupo afirma que a prisão do tatuador é “uma prova de como o Estado passa por cima de qualquer regra para atacar as classes oprimidas, elegendo algumas pessoas para servirem de exemplo”. O Padre Júlio Lancelotti, ativista na luta pelos direitos humanos, também pediu liberdade para Matheus em suas redes.

Ajude a Ponte!

Namorada de Matheus, a estudante de geografia Edilene Lima, 23, afirma que o tatuador é vítima de “perseguição”, uma vez que já havia sido detido em um outro protesto, há cinco anos. “Em um outro ato, em 2016, o Matheus estava fazendo ação direta e, no momento, a polícia forjou a prisão dele [segundo a polícia, ele portava explosivos, o que foi rechaçado após vídeo dos Jornalistas Livres mostrar que ele não portava tais materiais]. Nisso, ele foi absolvido e a polícia desmoralizada. A polícia tem esse ressentimento dele por conta desse caso. O Matheus já é uma figura marcada pela polícia”, afirma. “Não tem lógica nenhuma a pessoa pegar um objeto no chão e ser acusada de furto”, diz.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>