x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Com votação histórica, vereadores e vereadoras trans triplicam no país que mais mata sua população trans

16/11/20 por Caê Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

30 candidaturas trans foram eleitas neste ano, com 224 mil votos (incluindo mandatos coletivos) — em 2016, elegeram-se 8, somando 9 mil votos. Nas capitais Belo Horizonte e Aracaju, candidatas trans lideraram a votação

Da esquerda para direita: Duda Salabert, Benny Briolly, Carolina Iara (acima), Linda Brasil, Erika Hilton e Tammy Gretchen (abaixo) | Fotos: Reprodução/Instagram

2020 prometia ser um ano importante para as candidaturas trans nas eleições municipais, que bateram o recorde de 294 pessoas trans inscritas. E a promessa se cumpriu. Neste domingo, 30 pessoas trans foram eleitas para as Câmaras municipais em diversas cidades do país, segundo levantamento feito pela Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais): um salto em relação a 2016, quando o país elegeu 8 pessoas trans.

São 25 candidaturas de mulheres trans e travestis e uma de homem trans. Geograficamente, são dezesseis candidaturas na região Sudeste, duas no Nordeste, uma na região Norte e quatro no Sul. Além das 26 pessoas eleitas individualmente, quatro foram eleitas dentro de “mandatos coletivos“, grupos informais que dividem um mandato (é importante frisar que a justiça eleitoral não reconhece juridicamente os mandatos coletivos).

Não só eleitas, mas muito bem votadas. A professora Duda Salabert (PDT) foi a candidatura mais votada em Belo Horizonte (MG) com 37.613 votos. Linda Brasil (PSOL) também foi a mais votada em Aracaju (SE) com 5.773 votos. A cidade de Pontal (SP) também teve como mais votada uma candidata trans, Lorim de Valéria, do PDT. Benny Briolly foi a primeira pessoa trans eleita de Niterói (RJ) com 4.367 votos, a mais votada entre as mulheres.

A cidade de São Paulo teve candidaturas trans com votos expressivos. Erika Hilton (PSOL) foi a sexta vereadora mais votada da maior cidade do país, ficando em primeiro lugar no recorte de gênero entre as mulheres, com 50.508 votos, se tornando a primeira travesti negra a chegar à Câmara Municipal de São Paulo.

Leia também: Carolina Iara, intersexo e candidata: ‘trago muitas representações em um corpo só’

Pelo PL, Thammy Miranda se tornou o primeiro homem trans eleito vereador na cidade, com 43.321 votos. Na capital paulista outras duas pessoas trans foram eleitas dentro de candidaturas coletivas: Carolina Iara (PSOL) foi eleita covereadora pela Bancada Feminista com 46.267 votos, se tornando a primeira pessoa intersexo eleita, mesmo que informalmente, no país, enquanto Samara Santana (PSOL) participa da candidatura coletiva do Quilombo Periférico, eleita com 22.742 votos.

Paulette Blue (PSDB) foi eleita com 352 votos em Bom Repouso (MG), a mais votada da cidade, assim como Tieta Melo (MDB), eleita com 1.945 votos, mais votada de São Joaquim da Barra (SP). Anabella Pavão (PSOL) foi eleita com 606 votos em Batatais (SP), como terceira mais votada da cidade. Titia Chiba (PSB) foi a candidata mais votada em Pompeu (MG) com 1.220 votos, assim como Dandara (MDB), com 369 votos em Patrocínio Paulista (SP), foi a mais votada da cidade.

Também foram eleitas vereadoras: Kará (PDT) com 312 votos em Natividade (RJ), Thabatta Pimenta (PROS) com 267 votos em Carnaúba dos Dantas (RN), Filipa Brunelli (PT) com 1.119 votos em Araraquara (SP), Lins Roballo (PT) com 678 votos em São Borja (RS), Isabelly Carvalho (PT) com 1.349 votos em Limeira (SP), Maria Regina (PT) com 930 votos em Rio Grande (RS), Regininha Lourenço (Avante) com 861 votos em Araçatuba (SP), Gilvan Masferre (Democracia Cristã) com 1.347 votos em Uberlândia (MG), Paulinha da Saúde (MDB) com 438 votos em Eldorado dos Carajás (PA), Rebecca Barbosa (PDT) com 332 votos em Salesópolis (SP), Brenda Ferrari (PV) com 1.164 em Lapa (PR), Yasmin Prestes (MDB) com 260 votos eleita em Entre-Ijuis (RS), Myrella Soares (DEM) com 343 votos em Bariri (SP), Lari Camponesa (REP) com 266 votos em Rio Novo do Sul (ES), Heitor Gabriel e Rafa Bertolucci (PODE) com 650 votos pela Dialogue, em Araçatuba (SP) e Fernanda Carrara (PTB) com 361 votos em Piraju (SP).

Leia também: Negra e travesti, candidata é ameaçada no RJ: ‘Ronnie Lessa está de olho’

Em entrevista à Ponte, Bruna Benevides, pesquisadora da Antra, comemora as candidaturas eleitas. “É um marco histórico no Brasil termos tantas pessoas trans eleitas, essa representatividade é importantíssima. Estamos muito felizes, principalmente pela possibilidade de garantir que as novas gerações cresçam sabendo que esta luta tem trazido frutos e que essas pessoas estão transformando a nossa realidade, não apenas nos seus municípios, mas o impacto que a entrada dessas pessoas, em seu lugar de representação, também nos deixa esse legado”.

“Essa eleição só demonstra que estamos caminhando para um espaço em que realmente a democracia se faz presente”, diz Lis Roballo (PT), vereadora trans eleita em São Borja (RS), terra de Getúlio Vargas . “Quando a gente acredita em um projeto, consegue alcançar as pessoas, consegue falar com elas sobre política e a importância do voto delas. Podemos sim mudar as estruturas da política e fazer com que a gente tenha representatividade dentro do espaço legislativo, entendendo que é nesse lugar que os nossos direitos são pautados. Se não estamos lá, nossos direitos são cerceados, invisibilizados e emudecidos”.

Bruna explica que a Antra seguirá com um canal aberto com essas candidaturas para fortalecê-las e já pensando em candidaturas nas Eleições de 2022. “Nos colocamos à disposição para promover um diálogo fraterno, progressista e que acolha essas pessoas que estão se colocando nas Câmaras principalmente em um momento que também vemos a eleição de diversas pessoas que são contra as pautas progressistas e dos direitos das pessoas trans”.

“O recado que eu tenho dito e repetido é que lutar vale a pena. A nossa luta é constante. Temos conseguido diversos avanços, mas, como diz Angela Davis, a democracia é uma luta constante. Seguiremos aí na resistência”, finaliza.

Para Erika Hilton, candidata mais votada pelo PSOL em São Paulo, “a vitória é muito significativa para todes, que somos minoria apenas na representatividade política, na conquista de direitos, mas que somos maioria na composição da sociedade”.

Apoie a Ponte!

“É uma vitória de muitas vozes, de muitos grupos, de muitas pautas, uma vitória que demonstra o quanto os nossos movimentos, que seguem sendo atacados, estão organizados e prontos para darem resposta a esse sistema fascista, a esse sistema de ódio, que nós não nos intimidaremos, não recuaremos. Esta é uma vitória coletiva, esta é uma vitória do povo, está é uma vitória de quem acredita na pauta dos direitos humanos, na pauta da vida, na pauta da emancipação coletiva, social, econômica e política, e a nossa atuação dentro da Câmara Municipal será uma atuação para todes”.

Hilton promete que legislará para pelos direitos humanos, direito à moradia, ao emprego, à escolaridade, ao serviço municipal de qualidade. “Nós chegamos como a mulher mais bem votada da cidade e não chegamos sozinhas, com mais de 50 mil pessoas, muito mais, que acreditam no nosso trabalho, na nossa potência e na transformação revolucionária que vamos trazer dentro desse espaço”.

“Estamos muito felizes de trazer para dentro da Câmara da maior cidade da América Latina a voz das mulheres negras, pobres, trabalhadoras, oprimidas, que nunca se viram representadas dentro desse lugar e que agora terão alguém que vocalize as nossas lutas, as nossas pautas e a nossa ancestralidade”, finaliza.

Linda Brasil, vereadora mais votada de Aracaju, comemorou sua eleição. “Essa vitória tem uma importância histórica muito grande. É o resultado de um trabalho que a gente vem construindo com amor e coragem para transformar a nossa sociedade. Sergipe sempre foi dominada pelas mesmas oligarquias, pelas mesmas elites, que determinam nossas políticas públicas. Chegou a hora da gente criar projetos e propostas para ajudar toda a comunidade que vive em situação de vulnerabilidade”.

As 27 candidaturas trans espelhadas pelo Brasil, afirmou Linda, representam um sopro de esperança. “É uma possibilidade da gente transformar o Brasil em um país melhor, com muito mais amor, com coragem, mas, ao mesmo tempo, é uma forma de a gente combater esse reacionarismo que está cada vez mais querendo se fortalecer”.

“Essas vitórias são uma resposta a essas pessoas que usam o discurso de ódio para tentar controlar e perseguir nossas vidas. É só o início para que outras pessoas trans, LGBTs, feministas e negras ocuparem esses espaços e fazerem mudanças efetivas”.

Benny Briolly, a mais votada entre as mulheres, também contou que ficou bem ansiosa com o atraso da apuração. “Mas na hora do resultado passa um filme na cabeça. Anos de luta e organização que nesse momento se traduzem no enfrentamento ao bolsonarismo e ao crescimento da direita na cidade”.

“Nossa vitória é uma resposta a esse modelo de sociedade que infelizmente é racista, transfóbica e machista. Niterói é uma cidade rica, porém muito desigual. É o município mais segregado racialmente da América. E nosso projeto representa essa luta por um outro projeto de cidade na casa legislativa. Não vamos recuar na luta. Estamos aqui para disputar um projeto de sociedade”.

ERRATA: Esta reportagem foi atualizada às 20h48 do dia 17/11/2020 para retificar o partido de Duda Salabert: ela é filiada ao PDT e não ao PSOL, como inicialmente informado.

ATUALIZAÇÃO: Esta reportagem foi atualizada às 22h17 do dia 17/11/2020 para incluir mais duas vereadoras.

ATUALIZAÇÃO: Esta reportagem foi atualizada às 18h30 do dia 19/11/2020 para incluir mais três nomes de pessoas eleitas.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>