GCM preso por chacina de 5 jovens integra grupo chamado ‘Caveiras’

Guarda Rodrigo Gonçalves de Oliveira, que confessou ao DHPP participação no crime, está preso desde quinta-feira (10/11). Os que pertencem ao grupo têm caveiras de alumínio coladas nos coldres

O GCM (guarda civil municipal) de Santo André, na Grande São Paulo, que se entregou nesta quinta-feira (10) confessando ter criado um perfil falso no Facebook para que outros homens matassem os cinco rapazes no dia 21 de outubro deste ano se chama Rodrigo Gonçalves de Oliveira.

Oliveira, conhecido como Digão, é integrante da ROMU (Rondas Ostensivas Municipais) da cidade do ABC Paulista, uma espécie de tropa de elite da guarda municipal. De acordo com as investigações, ele é integrante de um grupo de GCMs chamado de “Caveiras”, porque todos os que pertencem ao conjunto têm caveiras de alumínio coladas nos coldres dos braços.

Após o GCM ter confessado envolvimento no crime, que teve sequestro, assassinato e decaptação, ele saiu do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), da Polícia Civil, por volta da meia noite. De lá, ele foi levado ao IML (Instituto Médico Legal) para fazer o exame de corpo de delito e, depois, para a carceragem do 8º DP, no Brás, região central da cidade. Ele está em uma carceragem específica para ex-guardas civis e ex-policiais, militares e civis.

Além de Rodrigo Gonçalves de Oliveira, outros dois guardas municipais de Santo André são investigados sob suspeita de criar perfis falsos de meninas na rede social Facebook para atrair os cinco jovens moradores da zona leste de São Paulo para uma festa.

O alvo dos três guardas civis municipais era Caique Henrique Machado, de 18 anos, e um dos jovens mortos na chacina. Conhecido como Pirata, o rapaz era considerado pelos amigos do GCM Rodolfo Lopes Sabino, 30 anos, como um dos dois criminosos que atacaram o guarda e o mataram com um tiro na nuca para roubar seu carro, abandonado no Jardim Rodolfo Pirani, na zona leste de capital, onde os jovens viviam.

O DHPP investiga, além dos GCMs, a participação de PMs no sequestro e morte dos cinco jovens. Os corpos de César Augusto Gomes Silva, 19 anos, Jonathan Moreira Ferreira e Caique Henrique Machado Silva, ambos de 18, Robson Fernando Donato de Paula, cadeirante de 16, e Jonas Ferreira Januário, 30, foram encontrados no domingo (6/11), em uma mata em Mogi das Cruzes (Grande SP).

Até a publicação desta reportagem, quatro dos cinco corpos haviam sido identificados oficialmente: Caíque Henrique Machado, Cesar Augusto Gomes, o cadeirante Robson de Paula, que foi decapitado, e Jonathan Moreira Ferreira. Os corpos estavam em covas rasas e cobertos com cal (para acelerar o processo de decomposição).

Perto deles, foram encontradas cápsulas de munição .40 (de uso restrito das forças de segurança). O rastreamento da Corregedoria (órgão fiscalizador) da PM apontou que algumas das cápsulas de .40 pertenciam a dois lotes comprados pela Polícia Militar de São Paulo da CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos). Outras cápsulas, também de .40, haviam sido compradas pela Polícia Civil.

Munições de revólver calibre 38 e de escopeta calibre 12 também foram utilizadas pelos assassinos dos cinco rapazes. Os corpos deles não tinham ferimentos de munição de pistola .40, segundo os médicos legistas e peritos.

Após ocupação de movimentos sociais na sede da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, nesta quinta-feira (10), familiares afirmaram que já prevêem exercer o direito de enterrar os corpos de seus entes. A previsão é de que o enterro de pelo menos um dos jovens ocorra neste sábado (12), pela manhã.

O caso:
Vídeo: Quem matou os 5 jovens da zona leste?
GCM é preso sob suspeita de criar perfil falso no Facebook para atrair e matar cinco jovens em SP
Manifestantes ocupam Secretaria da Segurança de SP em protesto contra morte de 5 jovens
Entidades de direitos humanos pedem que MP acompanhe investigação de chacina de 5 jovens
Polícia investiga se grupo de extermínio formado por PMs e GCMs atuou na chacina de jovens da zona leste
Cápsulas achadas perto de corpos de jovens que estavam sumidos foram compradas pela PM
Polícia Militar consultou dados de jovens na noite em que foram assassinados
Condepe questionará governo paulista sobre busca a cinco jovens desaparecidos
Familiares de desaparecidos perderam a esperança de encontrar filhos com vida
Desaparecimento de jovens após relato de “enquadro” completa seis dias

A principal linha de investigação para a chacina contra os cinco rapazes tem relação com a morte Rodrigo Lopes Sabino, 30 anos, GCM de Santo André (Grande São Paulo). Sabino era agente de segurança de Oswana Fameli, prefeita em exercício da cidade no ABC paulista.

Na terça-feira (8), a Corregedoria da PM fez buscas em um sítio perto do local onde os corpos dos jovens foram encontrados e localizou cal e munições. Esse sítio, segundo os investigadores, foi alvo de busca e apreensão por ser conhecido como um local bastante frequentado por PMs.

Outra evidência investigada pelo DHPP sobre uma possível participação de agentes das forças de segurança no sequestro e mortes dos cinco rapazes foi a consulta dos dados de dois deles feitas por PMs que atuam na região onde o grupo vivia, no Jardim Rodolfo Pirani.

Comentários

Comentários

Contribua com a Ponte

Clique para doar

feito por F E R A