Movimento Negro fecha Paulista e protesta contra chacina no Jacarezinho

08/05/21 por Paulo Eduardo Dias

Compartilhe este conteúdo:

Cerca de 300 pessoas marcharam exigindo respostas sobre ação da Polícia Civil que deixou 28 mortos no Rio de Janeiro; ao final do ato dois jovens foram detidos pela Polícia Militar

Protesto Chacina Jacarezinho
Manifestantes na avenida Paulista, na noite deste sábado (8/5), durante protesto contra 28 mortes em operação policial no Rio de Janeiro – Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Movimentos sociais e partidos políticos realizaram manifestação na avenida Paulista, na noite de sábado (8/5), para protestar e cobrar respostas sobre a chacina na Favela do Jacarezinho, na zona norte do Rio de Janeiro, que resultou na morte de 28 pessoas, durante uma operação da Polícia Civil. A matança aconteceu na manhã de quinta-feira (6/5).

O ato foi organizado pela Coalizão Negra por Direitos e começou por volta das 17 horas, no Vão Livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo), e se encerrou pouco antes das 20 horas, na Praça do Ciclista, cruzamento da avenida Paulista com a rua da Consolação. Mesmo com todos os manifestantes usando máscaras, em alguns instantes do encontro houve aglomeração, o que não é recomendável pelas organizações de saúde.

Manifestante foi à avenida Paulista, na noite de sábado (8/5), para protestar contra ação da Polícia Civil fluminense na favela do Jacarezinho - Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo
Manifestante foi à avenida Paulista, na noite de sábado (8/5), para protestar contra ação da Polícia Civil fluminense na favela do Jacarezinho – Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

A marcha foi pacífica, no entanto, já perto do encerramento, dois jovens foram detidos pelo 7° Baep (Batalhão de Ações Especiais) da PM e encaminhados para o 78° DP (Jardins). Até por volta das 23h30, a ocorrência ainda não havia sido apresentada à autoridade da Polícia Civil, já que os homens haviam sido encaminhados para exame de corpo de delito no Hospital das Clínicas e não retornaram ao distrito policial.

Momento em que PMs prendem dois jovens na avenida Paulista, durante marcha contra as 28 mortes na favela do Jacarezinho, Rio de Janeiro

Representantes da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil) e da Defensoria Pública do Estado de São Paulo foram à delegacia para prestar assistência jurídica aos dois jovens, cujos nomes não foram revelados.

“A intenção é denunciar as diversas formas de genocídio do povo negro e da periferia. Viemos prestar solidariedade aos familiares da chacina do Jacarezinho. A gente já estava com a garganta fechada com a fome promovida pelo coronavírus. Agora, o estado mostra que tem mais uma forma de matar a população negra”, disse à Ponte a covereadora da bancada feminista do PSOL, Paula Nunes, 27 anos.

Também advogada, Paula criticou o desrespeito da Polícia Civil do Rio de Janeiro à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que proíbe ações policiais em favelas fluminenses durante à pandemia, exceto em casos excepcionais e mediante aviso prévio ao Ministério Público. O MP afirmou ter sido avisado sobre a operação que deixou 28 moradores da favela e um policial civil mortos.

“Um desrespeito à vida, que é o direito mais fundamental dos direitos humanos”, sustentou Paula.

Zilda Maria de Paula teve o filho assassinado na chacina de Osasco (Grande SP), em agosto de 2015, e foi à Paulista para apoiar as mães dos moradores mortos na favela do Jacarezinho, Rio de Janeiro – Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Cerca de 300 pessoas participaram do ato. Uma delas era Zilda Maria de Paula, que teve o filho assassinado na chacina de Osasco, na Grande São Paulo, ocorrida em 13 de agosto 2015. Seu filho, Fernando Luiz de Paula, 34, foi assassinado dentro de um bar.

“Eu passei o que as mães do Jacarezinho estão passando. Esse governo da aval para a polícia matar”.

Ajude a Ponte!

Além de Zilda, mães que tiveram os filhos mortos no massacre de Paraisópolis, onde nove jovens perderam a vida pisoteados e asfixiados após policiais militares tentaram dispersar um baile funk em dezembro de 2019, estiveram na avenida Paulista.

Durante a caminhada houve uma parada em frente ao prédio da Justiça Federal. Naquele momento, velas foram acessas em memória dos 28 mortos no Rio de Janeiro.

Coalizão Negra por Direitos foi responsável por organizar marcha na Avenida Paulista, neste sábado (8/5), contra a chacina na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio de Janeiro – Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo

Leia também: ‘Barbárie das barbáries’: operação policial deixa mais de 20 mortos no Jacarezinho

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>