No Dia dos Namorados, companheira de Bruno homenageia jovem morto pela PM em Heliópolis

12/06/21 por Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

Bruno Silva Pereira foi morto anos com tiros de fuzil, em cima de sua cama, no dia 3, durante buscas por PM desaparecido na favela, em São Paulo

Grupo fez oração em frente à igreja em homenagem a jovem morto em Heliópolis, neste sábado (12) | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

B.G.M.(*), 21 anos, inaugurou neste sábado (12/6) sua loja para vender roupas, depois de ter sido muito incentivada pelo namorado a realizar o sonho de ter seu próprio negócio. Neste 12 de junho, eles estariam passando o Dia dos Namorados juntos, como todos os outros dias ao longo dos últimos três anos.

Mas Bruno Silva Pereira, 24, o namorado dela, foi morto em cima da cama, no quarto onde vivia, com um tiro de fuzil disparado por policiais militares na favela do Heliópolis, zona sul da cidade de São Paulo, em 3 de junho. Foi um dos dias de terror na comunidade com a Polícia Militar fazendo buscas pelo soldado Leandro Patrocínio, que acabaria sendo encontrado morto em um terreno da região no dia 5, uma semana depois de ter desaparecido.

Leia mais: Por que o racismo também mata policiais

Em vez de ir ao shopping comer com o namorado, o programa que costumavam fazer, a comerciante foi neste sábado (12/6) para frente da igreja católica na entrada da comunidade, em um protesto organizado pela Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio — grupo que articula movimentos e pessoas para denunciar a violência de Estado nas periferias — pedindo por justiça e homenageando Bruno.

Cartaz em homenagem a jovem morto pela polícia durante ato, que teve rápida presença da cavalaria da PM | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Na versão da polícia, Bruno escondia drogas e recebeu a PM a tiros. “Isso é mentira, porque ele até deixava a chave da casa dele para a mãe e o irmão entrar quando quisessem, ele não escondia nada”, contesta a namorada.

Ela explica que Bruno morava sozinho, próximo da mãe e do irmão. Quando os policiais chegaram, teriam entrado no local e ido para a casa do jovem. Os familiares dele foram levados para rua, e os PMs entraram na casa de Bruno. Em seguida, os parentes ouviram cinco disparos.

A comerciante conta, ainda, que a porta da casa do namorado não estava arrombada, o que pode significar que Bruno abriu a para os policiais antes de ser assassinado.

Rede de Proteção e Resistência ao Genocídio organizou ato na favela do Heliópolis | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Bruno e ela começaram a namorar em junho de 2018, e viviam um relacionamento intenso. Chegaram a morar juntos por um tempo, mas devido a algumas discussões acharam melhor ficarem em tetos diferentes. Ele morando sozinho, no quintal próximo à casa da mãe dele, ela em um apartamento com a família. Os dois em Heliópolis.

“Mesmo assim, a gente ficava grudado 24 horas por dia. Era o tempo todo. Eu era a única pessoa que sabia tudo da vida dele, porque ele falava para mim. Isso até mostra que se ele tivesse mesmo alguma coisa errada, como a polícia falou, eu saberia”, afirma.

E era ao lado dela que ele mudava até de comportamento, conforme ela relata. “Com as outras pessoas ele era muito fechado, tímido e não gostava de conversar, mas comigo era diferente, ele se abria, brincava, fazia de tudo para me deixar bem”, diz. Ela também lamenta que ele tenha partido sem deixar um filho.

Namorada de Bruno Silva Pereira participou de ato | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Foi pensando no futuro que Bruno foi o maior incentivador para ela abrir a loja de roupa. “Ele fez eu acreditar em mim, e agora eu vou até o fim”, afirma.

Balões brancos, bandeiras, a foto do jovem dizendo “Bruno presente”, e uma oração marcaram o protesto acontecido hoje, que durou pouco mais de duas horas. Para Raoni Gruber, 35, articulador da Rede, o ato foi importante para ter “uma troca entre comunidades e para trocar informações, sem esperar um governo, para se proteger”.

Mãe de menino Lucas Eduardo, morto em Santo André, também esteve em ato de homenagem a Bruno | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Quem também esteve presente no ato foi Maria Marques Martins dos Santos, de 40 anos. Ela é mãe do menino Lucas Eduardo Martins dos Santos, encontrado morto em um lago no município de Santo André, no ABC Paulista, em novembro de 2019, após a família afirmar que ele foi abordado e levado por policiais militares.

Desde que perdeu o filho, Maria busca estar presente ao lado de outras pessoas que perdem familiares vítimas da violência policial. Em 21 de março, participou de um protesto em Santo André por Victor dos Santos Lima, morto aos 22 anos pela PM ao tentar impedir os policiais de matarem um amigo de infância. “A gente precisa apoiar um ao outro para que não pareça que é caso isolado e a justiça seja feita para cada uma das mortes cometidas por policiais”, disse.

Ato terminou com manifestantes soltando balões na entrada da favela do Heliópolis | Foto: Daniel Arroyo/Ponte

(*) Atualizaçãoem 14/6, às 16h45 – Após a publicação da reportagem, a namorada de Bruno pediu que seu nome completo fosse tirado do texto, por temer represálias.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>