Líderes do PCC são mortos no Ceará; MP aponta guerra interna na facção

Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, foram alvo de emboscada; MP aponta para acerto de contas dentro da própria facção

Dois membros da cúpula do PCC (Primeiro Comando da Capital) foram encontrados mortos em uma área indígena do Ceará: Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca. A região é próxima de Aquiraz, município a 32 quilômetros distante de Fortaleza, capital do Estado.

Testemunhas disseram que um helicóptero sobrevoou a área na quinta-feira (15/2), fez voos rasantes e disparou – cápsulas de calibre 9 milímetros foram encontradas no entorno. Um homem que colhia frutas na região encontrou no sábado (17/2) os corpos em área de mata densa, distante de ruas e estradas.

Fontes do Ministério Público apontaram à Ponte acerto de contas dentro do próprio PCC como hipótese para o crime. Gegê do Mangue estava foragido desde 20 de fevereiro de 2017 e é apontado como possível mandante da morte de Edilson Borges Nogueira, o Birosca, assassinado durante banho de sol em Presidente Venceslau (SP), em dezembro passado.

Pertencente ao alto escalão da facção por duas décadas, Birosca acabou excluído do PCC por conta de uma briga de sua mulher com mulheres de outros presos durante viagem de ônibus para visitas à Penitenciária II de Venceslau. Em dezembro, Danilo Antonio Cirino Félix, o Montanha, e Gilberto Sousa Barbosa Silva, o Caveira, assumiram a culpa pela morte, de acordo com a Polícia Civil.

Então principal homem do PCC nas ruas, Gegê teria decidido matar o rival sem a autorização dos demais membros da cúpula. Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, apontado pelo MP de São Paulo como líder máximo do grupo, e outros dez presos estavam presos no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado) até 11 de dezembro do ano passado, sem comunicação dentro ou fora da prisão.

Segundo o MP, um ‘salve’, termo usado dentro dos presídios para informes e determinações do comando dentro das cadeias, confirma a morte de Gegê e Paca como acerto de contas da própria facção pelo assassinato de Birosca. Mulheres de presos também divulgam a informação, segundo promotores.

Apesar de excluído da facção, Birosca era tido como um preso querido dentro do sistema por ajudar outros presos. Ele era batizado no PCC por Marcola (quem o indicou e deu aval para a entrada no grupo) e tinha como afilhado Daniel Vinícius Canônico, o Cego, outro membro da cúpula.

Região em guerra de facções

Local do crime, o Ceará enfrenta atualmente crise na segurança pública por conflito de facções, segundo as autoridades locais. A facção GDE (Guardiões do Estado), aliada do PCC, disputa com o CV (Comando Vermelho) pelo comando do tráfico de drogas na região. Áudios divulgados pelo Whatsapp apontam que integrantes locais do PCC estariam recrutando membros para a guerra contra o CV, inclusive com a inclusão de adolescentes na facção.

No dia 27 de janeiro, 14 morreram vítimas de chacina durante uma festa no bairro Cajazeiras, na periferia de Fortaleza. A suspeita principal é de que o crime tem autoria do GDE. Dois dias depois, dez presos morreram e oito ficaram feridos numa briga na Cadeia Pública de Itapajé, 130 km da capital, este crime apontado como realizado pelo CV.

“A chacina do bairro Cajazeiras foi o ápice de um processo que envolve outras ações. O GDE é local, não tem vinculação nacional, então tende a buscar a expansão na base da força. Por isso, faz atos de terror para amedrontar e afugentar”, explicou na ocasião o presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), Cláudio Justa.

Independentemente dos dois casos, o Ceará tem convivido com o aumento na violência. Segundo o Atlas da Violência 2017, levantamento realizado pelo Ipea e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a taxa de homicídios por 100 mil habitantes no Estado cresceu 47% entre 2010 e 2015, ano em que foram contabilizados 4.163 homicídios. Registra a terceira maior média de homicíidios: 46,75 a cada 100 mil, atrás de Alagoas (52,33) e Sergipe (58,09).

No ranking do Atlas, Fortaleza aparece como a capital mais violenta do país com 78,1 mortes por 100 mil habitantes, somados homicídios e mortes violentas sem causa determinada. Maracanaú, também no Ceará, é a sexta cidade mais violenta, com taxa de 89,4. Altamira, no Pará, lidera a lista, com 107 por 100 mil.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar